single-post

Georgeo: ?o momento do País pede cautela e o PT deve falar a verdade?

07/03/2016

Após a deflagração da 24ª fase da Operação Lava Jato, que levou o ex-presidente Lula, PT, a prestar depoimento à Polícia Federal, o País inteiro se dividiu em torno do tema. O fato foi tema da fala do deputado estadual Georgeo Passos, PTC, durante o grande expediente da sessão plenária desta segunda-feira, 7. Para o parlamentar, o momento é de cautela. Georgeo se mostrou preocupado com os desdobramentos que a operação possa levar no sentido de uma divisão do Brasil. ?Não é momento de nós políticos colocarmos mais lenha na fogueira. É um momento de reflexão e que temos de agir com prudência, onde a democracia brasileira precisa sim ser respeitada. Infelizmente, estamos ouvindo o incitamento à violência no País. Não precisamos de desunião. De pregação de ódio. Precisamos que quem cometeu erro seja investigado, independentemente da sigla partidária, seja PSDB, PMDB, PT, etc?, alertou. ?O Brasil teria se acabado se o juiz Moro entendesse que os requisitos para uma prisão temporária estivessem presentes na sexta. Estaríamos hoje em uma guerra civil. Nós temos sim que colocar o trem nos trilhos. Nós temos que serenar. O confronto, se vier, terá reação. E ai, podemos ter um conflito entre brasileiros, que vão defender o que acreditam. E eu não acho que é isso que as pessoas que estão na frente do PT queiram?, analisou. Sobre a argumentação dos petistas de que o processo de investigação contra o ex-presidente estaria ocorrendo com excessos, Georgeo saiu em defesa do Judiciário. ?Se tivesse algum equívoco, as decisões seriam revistas no Superior Tribunal de Justiça ou no Tribunal Regional Federal da região, por exemplo ? o que não está acontecendo. Vale lembrar que nos últimos anos, quem nomeou a maioria dos ministros do STJ e do STF foi o Governo do PT. Logo, se houvesse perseguição, já teriam mudado as decisões de primeiro grau do Juiz Moro?, afirmou. ?Juiz não é Deus. É um servidor público que tem seus direitos e deveres. E que se agir com algum excesso, pode ser punido. Nem toda decisão de um juiz de primeiro grau é, obrigatoriamente, a verdade absoluta. As partes que não estiverem satisfeitas podem e devem recorrer. O ex-presidente Lula contratou advogados que tem muitos anos de trabalho, que são experientes. O ex-presidente não tem uma defesa deficiente, mas sim qualificada, que pode sim conter os excessos caso eles aconteçam?, completou o deputado. DESMORALIZAÇÃO Georgeo lembrou ainda que Lula não foi preso e não recebeu condenação. ?O problema foi o depoimento, como se ele não pudesse ser investigado?, argumentou. Para o parlamentar, o que há neste momento é uma tentativa de desmoralizar o Ministério Público Federal e também o Judiciário, através dos servidores que estão à frente da Lava Jato. ?Quer dizer, que se um juiz encontrar provas contundentes não pode prender Lula? Pois pode haver confronto, conforme já foi anunciado por alguns. As pessoas vão sim defender o seu líder. Mas dizer que se tirar Dilma é golpe, que se prender Lula é golpe, não é uma verdade. Até agora, estão sendo seguidas as regras do jogo?, salientou. ?Há indícios que podem estar ocorrendo lavagem de dinheiro. Por isso, as investigações têm que continuar, independentemente de pessoas. Se vai ser condenado, isso só será definido mais a frente, ao final do processo, é lógico que tem que ser apurado. Não é uma decisão de querer ouvir Lula sem fundamento e sem indícios de que algo está equivocado?, argumentou. O parlamentar afirmou ainda que não há golpe no ato de se investigar o ex-presidente. ?Golpe seria a omissão. Seria esconder a sujeira para debaixo do tapete. Golpe é o que o povo brasileiro sofre todo dia, quando muitos morrem na fila de um hospital quando o dinheiro para a saúde foi desviado por corrupção. Golpe são os recursos para a educação cada vez mais reduzidos e a população perdendo a chance de ter um ensino de qualidade. Enquanto ficamos nos digladiando, o povo é quem sofre?, assegurou. ?PASSÍVEL DE ERRO? Em aparte à fala de Georgeo, o deputado Venâncio Fonseca, PP, disse não querer entrar no mérito de quem roubou ou não. Para ele, o principal fato a ser destacado em toda essa discussão é de que acabou o discurso de decência do PT. ?Só quero dizer que o tempo é o senhor da razão e mostrou que a primeira oportunidade que o PT teve de administrar acabou o discurso da moralidade, da decência, da honestidade e da exceção?, assegurou. ?Era o único partido honesto e direito do mundo, principalmente do Brasil. Nenhum outro partido prestava. Todos os partidos são compostos por filiados, que são seres humanos. E tudo o que é exercido por seres humanos, são passíveis de erros. A Justiça é quem irá apurar se houveram crimes. Mas uma coisa eu já posso opinar: o PT não é melhor do que partido nenhum. A bandeira da moralidade e da decência foi enrolada?, defendeu Venâncio.