single-post

Georgeo Passos alerta sobre crise no abastecimento de água em Sergipe

08/11/2016

O deputado estadual Georgeo Passos (PTC) usou o grande expediente da sessão plenária desta segunda-feira, 7, para tratar sobre a crise no abastecimento de água em Sergipe. ?Poderemos ter um grave problema de abastecimento em um futuro próximo?, alertou o parlamentar. Georgeo falou sobre a resolução nº 1.283/2016, da Agência Nacional de Águas ? ANA ? que determinou a diminuição da vazão de água nas barragens de Sobradinho e Xingó a partir de 01 de novembro deste. Para o deputado, este que será o menor piso já adotado para os dois reservatórios, trará problemas para a população. ?É um colapso que pode acontecer nos próximos meses. Uma situação crítica que pode comprometer o abastecimento de água na capital, afinal, a água que vem do Rio São Francisco é muito importante para esse serviço. Com a redução da vazão, certamente a captação ficará ainda mais difícil?, alertou. O parlamentar destacou que a falta de chuvas deste ano agravou a situação e que este período de seca já causa problemas para o povo do sertão sergipano. A Defesa Civil já decretou situação de emergência nos municípios de Itabi, Frei Paulo, Macambira, Canindé de São Francisco, Capela, Gararu, Nossa Senhora da Glória, Nossa Senhora Aparecida, Pinhão, Poço Redondo, Poço Verde, São Domingos, Telha, Carira. Ribeirópolis, Propriá, Cedro de São João e Graccho Cardoso. ?É um cenário que precisa ser avaliado com cuidado. O verão ainda está chegando e se as chuvas não chegarem teremos muitas pessoas passando dificuldades. Estamos caminhando para a falta de água para a subsistência das pessoas e também dos animais?, comentou. Georgeo solicitou então o apoio da Comissão de Agricultura da Alese para discutir soluções para o tema. ?Vamos nos organizar para dialogar com a sociedade e poder dar uma solução. É de fundamental importância acompanharmos essa temática?, prometeu o deputado. Contudo, ele lembrou da importância do uso consciente da água. ?Precisamos fazer uma campanha nesse período. O desperdício é grande: Praticamente 50% da água tratada é perdida. E este é um líquido que certamente irá faltar no futuro?, finalizou Georgeo. FOTO: Jadilson Simões / Alese